4 mitos da pílula do dia seguinte

Diz-se por aí que a pílula do dia seguinte é uma bomba hormonal, que não se pode tomar mais que uma vez por ano ou que é abortiva. Mas quais destas afirmações estão certas? Ou não passam de mitos sobre a pílula do dia seguinte?

Bem neste post, vamos falar sobre os mitos da pílula do dia seguinte e dar-te a perceber como funciona a pílula do dia seguinte para que se alguma vez te vires na situação de ter que tomá-la, estejas informada e consciente da tua ação; porque na hora de tomar decisões o melhor mesmo é não te deixares levar por mitos.

1. A pílula do dia seguinte é uma bomba hormonal

Mito. Pensa que, a ser isto verdade, não estava em circulação pois seria considerada prejudicial para a saúde.

A pílula do dia seguinte pode eventualmente provocar efeitos secundários ligeiros e transitórios, tais como dor de cabeça, náuseas (vómitos) ou dor abdominal.

2. É abortiva

Mito. Este é um dos grandes mitos da pílula do dia seguinte. Apesar das vozes discordantes acerca deste tema, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) este medicamento não provoca o aborto e não prejudica a saúde das mulheres.

É muito importante que entendas detalhadamente a forma de atuação da pílula do dia seguinte, mais que não seja, para ficares tranquila.

 A pílula do dia seguinte atua de forma a atrasar ou inibir a ovulação, isto é, impede que o ovário liberte o óvulo e consequentemente não permite o encontro deste com o espermatozoide ou seja, não existe fecundação.

Os espermatozoides podem viver no aparelho genital feminino até  cinco dias depois do coito.

Durantes estes dias existe o risco da mulher ficar grávida caso exista ovulação. Assim, quanto mais cedo se toma a pílula do dia seguinte maior é a sua eficácia.

Importante: Caso a ovulação já tenha ocorrido a pílula do dia seguinte já não é eficaz.

3. Pode afetar a tua fertilidade

Mito. Pode parecer-te algo relativamente novo, mas a verdade é que a pílula do dia seguinte está em circulação desde os anos 70.

A pílula do dia seguinte não afeta a fertilidade futura. Aliás, o retorno à fertilidade pode ser imediato pelo que a mulher, após a toma da pílula do dia seguinte deve utilizar um método de barreira (preservativo) para todas as relações sexuais posteriores até ao próximo período menstrual, para além de iniciar ou retomar a contraceção regular.

4. Promove o sexo não protegido

Mito. A pílula do dia seguinte não deve ser usada como método contracetivo regular mas sim como método contracetivo de emergência. Trata-se de um método que dá uma segunda oportunidade à mulher, no caso de uma possível falha do método contracetivo usado regularmente ou no caso de não utilização de qualquer método.

Neste caso, a mulher tem a opção de evitar uma possível gravidez não desejada recorrendo à pílula do dia seguinte.

Existem muitos métodos contracetivos no mercado, informa-te junto do teu médico sobre  qual é o mais indicado para ti e que melhor se ajusta à tua forma de vida. E nunca te esqueças: atua sempre de forma responsável.

Antes de tomares a pílula do dia seguinte, discute a tua situação com o teu médico ou farmacêutico.

Informação é poder, e por isso é muito importante que estejas consciente de tudo o que se diz a respeito da contraceção de emergência – o que é certo e o que é errado. Este método é uma segunda oportunidade para prevenir uma gravidez não planeada. Permite à mulher escolher e planear o momento em que pretende ser mãe, e não obrigá-la a aceitar uma gravidez não planeada fruto de um esquecimento – ou cá para nós de uma falha do método contracetivo.

E depois disto, ainda acreditas em mitos? Não hesites em partilhar informação verdadeira com outras mulheres. Agora, solta-te e relaxa porque como diz o velho ditado: Uma mulher prevenida vale por duas!