Archives

Como podes ser mais produtiva

prod1

Já todas passámos por aqueles dias preguiçosos, de procrastinação em que o que temos de fazer e o que queremos são mundos opostos. Ficar na cama a ver vídeos de gatos no youtube, ou a cuscar fotos no insta, ou até a ver uma temporada inteira de Anatomia de Grey é ótimo – eu diria mesmo que é vida! O problema vem quando essas fases duram há… quantos anos tens, mesmo?

Dicas para te ajudar a ser mais produtiva

Para celebrar o dia mundial da produtividade, vamos tentar pôr em prática certas dicas para ser mais produtiva. Pensa nisto como uma resolução de ano novo a tempo do verão!

Define prioridades

Ok. Certo. E como? Bem, não é fácil, mas é possível. Se definires aquelas coisas que tens mesmo de fazer, entregar a declaração de IRS a tempo, ir ao médico ou entregar um projecto, e as fizeres de facto, depois tens todo o tempo do mundo para ser preguiçosa e completar a tua coleção de GIFS do America’s Next Top Model.

Compra uma agenda… e usa-a!

Compra uma agenda e aponta nela as tuas obrigações. Ainda que não te apeteça fazê-las, ver certas coisas como “pagar a conta da luz” ou “enviar um postal à avó” ali abandonadas dia após dia, vão fazer-te sentir mal, e vais sentir-te obrigada a fazê-las mesmo. Ser mais produtiva passa por seres mais responsável.

Deitar cedo e cedo erguer…

Manter uma rotina diária vai ajudar-te imenso a melhorar a tua produtividade. Hm, não gostas de acordar cedo? Bem, é comum, mas acredita que ao fim de uns dias o teu corpo habitua-se. E, além disso, durante o dia tendemos a ser mais ativos e as lojas e serviços que costumamos precisar estão abertos durante o dia.

Descansar e dormir bem

Descansar e dormir um bom número de horas é, como já sabes, importante para a tua saúde. Neste caso, vai também ajudar-te a ser mais produtiva porque se estiveres com sono ou cansada é provável que tenhas dificuldade em concentrar-te ou até em fazer o que quer que seja.

prod2

Reduz o multitasking

Se te concentrares numa coisa de cada vez, é provável que o faças melhor e mais rápido do que se estiveres a fazer três coisas ao mesmo tempo e a pensar em mais duas. A capacidade que nós mulheres temos para o multitasking é ótima, em situações que assim o pedem mas, se puderes, tenta fazer as coisas uma de cada vez. A tua mente agradece.

Desliga-te do trabalho

Estar sempre a falar, a pensar e a stressar sobre o trabalho não vai tornar-te mais produtiva. Pelo contrário, vai cansar-te e maçar-te tanto, que vais chegar a um ponto em que já não suportas sequer lá estar. Impõe-te a regra de desligar um bocadinho: faz uma girls night com as tuas amigas, visita a família… qualquer coisa onde não fales ou penses sobre o teu trabalho.

Tira tempo só para ti

E finalmente: tira um tempo só para ti e para os teus memes, séries, exercício – o que seja – sem culpas, sem arrependimentos. Parar um bocado durante o dia tem muitas vantagens nos teus níveis de stress, ansiedade, e até felicidade, que se vão notar na produtividade do teu dia-a-dia.

giphy2

Depois destas dicas, estás preparada para ser mais produtiva? Partilha!

Se és uma preguiçosa crónica, bem-vinda ao grupo! Para ti tenho 5 apps fitness para combater a preguiça!

A TPM ao longo da história

tpm

Três quartos das mulheres portuguesas1 em idade fértil tem “aquela altura do mês” em que andam mais emocionais, inchadas, irritadiças… Mas porquê? A resposta é TPM.

A TPM – Tensão Pré-Menstrual

A Tensão Pré-Menstrual, é um problema que afeta mulheres em idade fértil com menstruações regulares. Consiste num conjunto de sintomas físicos, psicológicos e emocionais, que se manifestam alguns dias antes da menstruação.

Apesar de cerca de 75% das mulheres terem sintomas pré-menstruais, estes só constituem uma doença, a Síndrome Pré Menstrual, se forem severos e sistemáticos, e se, de alguma forma, incapacitarem a vida das mulheres.

Os sintomas pré-menstruais mais comuns são:

  • Cólicas menstruais;
  • Tensão mamária;
  • Cansaço;
  • Inchaço nas pernas;
  • Dores de cabeça;
  • Flutuações de humor;
  • Stress;
  • Ansiedade;
  • Estados depressivos ou tristeza;
  • Aumento ou diminuição da libido.

Se não és uma das mulheres sortudas que quase não sentem o período, conheces bem alguns (ou todos) destes sintomas. Hoje em dia a sociedade e a medicina já reconhecem que as mulheres são, de facto, afetadas por mudanças hormonais antes e durante o ciclo menstrual. No entanto, ao longo dos anos, nem sempre foi assim tão fácil de entender.

A história sexista da TPM

A TPM era, até há bem pouco tempo, considerada uma doença imaginada, inventada pelas mulheres. Para certas pessoas, algumas da comunidade médica, continua ainda a ser.

Séculos XVII e XVIII

Recuando aos séculos 17 e 18, certos sintomas de TPM eram considerados “histeria feminina” – basicamente, tudo que uma mulher fazia que os homens não compreendiam era histeria.

De facto, a palavra histeria deriva de “hystera” que significa útero. E se por um lado, os sintomas de TPM eram associados a histeria, a histeria era completamente associada a ser mulher. Sim, a histeria era uma doença mental exclusivamente feminina.

Século XIX

Durante anos, “tratamentos” horrendos como a histerectomia foram praticados em mulheres de todas as idades. Os médicos acreditavam que o útero era o culpado de todos os comportamentos histéricos das mulheres, e então, para seu bem, retiravam-no. Estes comportamentos incluíam emoções descontroladas, medos, ansiedade, irritabilidade, tristeza – sentimentos que muitas vezes estão associados à TPM.

Ainda assim, tudo era atribuído á histeria, desde convulsões até ao simples e natural desejo sexual – diz-se que certos médicos usavam “massagem pélvica” para aliviar certos sintomas de histeria.

Século XX

O primeiro relato médico da TPM data de 1931, quando o médico americano Robert Frank publicou um artigo em que descrevia as causas hormonais da TPM. A histeria feminina, contudo, só deixou de ser considerada uma doença real nos anos 50.

Século XXI

Atualmente, a discórdia em relação à TPM é que é um fenómeno cultural e uma construção social, que se deve entre outros a hipocondria. Existe ainda quem defenda que as mulheres, ou parte delas, usam a TPM e a Síndrome Pré-Menstrual como desculpa por conveniência, e que o simples facto de se falar disso, faz com que se pense que sofre disso.

A TPM afeta muitas mulheres e traz um sofrimento real. Se és uma dessas mulheres: não estás sozinha! O que achas da história da TPM? Partilha!

 

1 Metis Med, Síndrome pré-menstrual, Joana Novo, Sara Leite, 29/04/2016

Os melhores parques de Portugal para piqueniques com amigas

piquenique

O Verão está a chegar e o que pede? Natureza, amigas e… piqueniques! Confere uma lista dos melhores parques para piqueniques com amigas, de Norte a Sul do país.

Melhores parques para piqueniques

Portugal está cheio de belíssimos parques, onde podemos descontrair, relaxar e estar com as amigas. Aqui vão 8 dos melhores parques para piqueniques de Portugal:

Parque da Cidade do Porto

O Parque da Cidade, no Porto e Matosinhos, é enorme, tem lagos, patos e pássaros, lebres… É um paraíso no meio da cidade. E tão perto da praia!

Jardins da Fundação de Serralves, Porto

Os Jardins de Serralves parecem não ter fim. Banquinhos, fontes, prados, arte… difícil é escolher onde pôr a toalha e abrir o cesto!

Jardins da Gulbenkian, Lisboa

Os jardins da Gulbenkian transportam-nos para outra dimensão. Prados lindíssimos e lagos escondidos dão-nos uma sensação zen que começa logo à entrada.

Tapada das Necessidades, Lisboa

Na Tapada das Necessidades não tens só natureza incrível, como tens a Estufa Circular, a Casa do Regalo ou o Lago do Duque de Lafões para conhecer e disfrutar.

Mata Nacional do Choupal, Coimbra

A Mata Nacional do Choupal, com vista para o rio Mondego, inspirou escritores e poetas, e tenho a certeza que não te vai deixar indiferente.

Covão D’Ametade, Serra da Estrela

No Covão D’Ametade, para qualquer lado que olhes, vais ver uma paisagem de postal: seja as montanhas de granito ou os riachos naturais.

Parque Sítio das Flores, Lagoa

E porque o Algarve não tem só praias maravilhosas, aqui fica um parque fantástico. Tem várias nascentes e uma lagoa onde podes nadar, juntamente com um Sol delicioso.

Parque de Merendas do Alambre, Arrábida

Perto da Serra da Arrábida, este parque de merendas oferece muitas árvores, e sombras, mesmo ao lado da ribeira. Podes fazer até churrascos, já que no parque há mesas e assadores.

Agora que já tens oito destinos fantásticos, junta as amigas, prepara o cesto com mantimentos, pega numa manta – não te esqueças de protetor solar! – e aproveita!

Quais são os melhores parques para piqueniques que tu conheces? Partilha!

Não percas as sugestões sobre o que fazer esta Primavera e planos para o Verão.

Exercícios de Kegel: o que são e como fazer?

São terapêuticos, ajudam na experiência sexual… Já fizeste os teus Kegels hoje?

 

tumblr_inline_mi2o6vhPV21qz4rgp

 

 

O que são os exercícios de Kegel?

Os exercícios de Kegel são exercícios para os músculos pélvicos. Devem o seu nome ao médico Arnold Kegel, que os desenvolveu na década de 40, para ajudar, principalmente, mulheres que sofriam de incontinência urinária pós-parto e consistem em contrações voluntárias dos músculos pélvicos.

Ok, e o que são os músculos pélvicos?

O nome técnico é músculo pubococcígeo, e é encontrado tanto em homens como em mulheres. É um músculo que se estende desde o cóccix até ao osso púbico, e é uma espécie de “rede” que suporta os órgãos pélvicos. No caso da mulher, esses órgãos incluem a bexiga, a vagina, o útero e o reto.


Então e como fazer?

Os exercícios de Kegel são muito fáceis de fazer, depois de teres identificado os músculos certos e que tipo de movimentos deves fazer.

A Mayo Clinic recomenda: “Para identificar os músculos pélvicos, pare o fluxo de urina enquanto estiver a urinar. Se conseguir, identificou os músculos certos.”

Depois, é só exercitar esses mesmos músculos. Para isso, só tens de contrair os músculos durante dez segundos e relaxá-los outros dez. Faz três sets de 10 contrações e relaxamentos por dia.

No entanto, os mesmos médicos também deixam o alerta: “Não tenha por hábito fazer exercícios de Kegel enquanto urina. Esse ato pode levar a um esvaziamento incompleto da bexiga, o que aumenta os riscos de contrair infeções urinárias”.

 

E esses exercícios, notam-se?

Não e, por isso mesmo, podes fazê-los em qualquer lado e em qualquer posição. Podes fazê-los no metro, no autocarro, a ver televisão, em frente ao computador, mas pode ser mais fácil fazê-los deitada, ao início. São extremamente discretos!

Para garantires que estás a fazê-los corretamente, não contraias o abdómen, nádegas ou coxas, e também não sustenhas a respiração enquanto fazes os exercícios de Kegel, uma vez que estes exercícios são destinados apenas aos músculos pélvicos.


Mas, no que é que este exercícios me podem ajudar?

Ora bem, agora chegámos à parte divertida. Estes exercícios são ótimos para combater problemas como incontinência urinária ou fecal, e um problema mais grave chamado prolapso vaginal ou uterino – “descida” dos órgãos das suas posições normais. Estes problemas estão muitas vezes associados à gravidez, ao parto e a excesso de peso, mas não só.

Uma outra coisa em que os exercícios de Kegel ajudam são, acredites ou não, os orgasmos! O fortalecimento dos músculos pélvicos ajuda a que as contrações naturais de um orgasmo sejam mais fortes, tendo efeitos tanto para ti como para ele.

giphy

Posto isto, ainda que seja só curiosidade, não custa tentar, pois não? Sendo assim, experimenta-os e bons exercícios!

Livros com personagens femininas fortes

Os livros fazem companhia, inspiram, e ajudam-nos nas nossas vidas confusas, especialmente aquelas personagens com as quais nos identificamos. Confere abaixo uma lista de livros que tens mesmo de ler.

 

 

 

Não se pode subestimar o poder da literatura. Um bom livro pode levar-nos às lágrimas, arrancar-nos gargalhadas ou ajudar-nos a ultrapassar uma fase difícil das nossas vidas. Recomendo-te 8 livros com personagens femininas fortes, ou completamente badass, que tens mesmo de ler.

 

Orgulho e Preconceito, de Jane Austen

Elizabeth Bennet é uma de cinco irmãs, a protagonista deste clássico e um ícone da literatura feminista.

Este livro conta a sua história e a forma como não se deixou vencer pelos costumes da época, aqueles em que invariavelmente as mulheres não tinham opinião ou, pelo menos, não podiam expressá-la livremente.

 

 

A Campânula de Vidro, de Sylvia Plath

O único romance de Sylvia Plath, considerado semi-autobiográfico, é narrado por Esther Greenwood, uma rapariga de 19 anos que está a descobrir o mundo e a si mesma.

Questionando vários dogmas da sociedade, na década de 50, Esther passa por tempos conturbados. No entanto, nunca perde a vontade de lutar contra as convenções da sociedade, tomando diversas decisões, enquanto mulher, que lhe permitem ser mais independente e viver a sua vida de uma forma mais livre.

 


As Brumas de Avalon, de Marion Zimmer Bradley

Este livro é tão misterioso como o seu nome. Um livro de bruxas e feiticeiras, em que as personagens femininas são protagonistas. Guinevere, Morgana e Morgause são algumas das mulheres incrivelmente fortes do reino de Avalon, que influenciam o Rei Artur e todos aqueles que o rodeiam.

 

 

Persépolis, de Marjane Strapi

Apesar de ser uma biografia em banda desenhada, a protagonista Marjane Strapi mostra-nos a luta que travou contra a desigualdade desde criança quando, aos 10 anos, foi obrigada a usar o véu islâmico. Este é um livro que nos mostra uma realidade onde a intolerância e a falta de liberdade imperam, mas cuja mensagem profundamente humana é realmente relevante nos dias que correm.

 

 

As Mulherzinhas, de Louisa May Alcott

Este livro é considerado literatura ligeira, mas tem muito que se lhe diga. Apesar de ser direcionado a um público mais juvenil, nem sempre é tão leve como aparenta ser.

A história fala de quatro irmãs, no século XIX, que estão na transição para a adolescência e idade adulta. Este é um livro que fala de emancipação feminina, cem anos antes desta acontecer, e de como nada na vida é fácil de atingir sem esforço e dedicação.

 

 

Trilogia Millennium, de Stieg Larsson

Ok, tecnicamente são três livros, não um, mas neles podes encontrar Lisbeth Salander, a coprotagonista desta trilogia, uma rapariga considerada “problemática”, mas que lida com os seus problemas como ninguém.

Inspirados por um acontecimento traumático na vida do autor, os livros abordam, entre outros, a violência sexual contra mulheres.

 


A Sibila, de Augustina Bessa-Luís

Em A Sibila, a escritora portuguesa retrata o sofrimento e a submissão a que a mulher era submetida, e também a luta pela mudança de condição, através de Quina, que era tão forte, tão humana e tão mulher como qualquer uma de nós.

 

 

As Meninas dos Chocolates, de Annie Murray

Este livro conta a história de três mulheres, Edie, Ruby e Janet, cujas vidas são marcadas por atribulações familiares e pelo início da Segunda Grande Guerra. Mas é o amor que sentem pela criança que é abandonada e deixada ao cuidado de Edie que vai transformar as suas vidas e fazer Edie encontrar uma vida e amor que nunca pensou existir.

 

 

Estes são apenas alguns livros de entre muitos, muitos outros, que nos ajudam a ver que os problemas que enfrentamos não são só nossos, e que não estamos sozinhas.

Outros nomes importantes a reter são, por exemplo, Clarice Lispector, Virginia Woolf, Isabel Allende, Laura Esquível. Porquê? Porque todas estas escritoras criaram personagens femininas fortes, mulheres incríveis, como elas, e como todas nós.

Dicas para viajar sozinha

viajar_sozinha_01

 

Informa-te sobre o teu destino

Ir à descoberta é ótimo e libertador. Para que tudo corra bem, há certas coisas sobre as quais deves informar-te antes de ir. É um país seguro para mulheres sozinhas? O sítio onde vais ficar tem boas reviews? Onde é o consulado ou embaixada? O teu cartão bancário funciona naquele país? Precisas de passaporte ou visto?

Confirma aqui tudo o que deves fazer antes, durante e depois da viagem para que não te escape nada.

 

Dá o teu itinerário a familiares e amigos

Não quer dizer que tenhas de descrever todos os teus passos, mas algo simples como, por exemplo, a que horas vais apanhar o avião, a que horas vais chegar e onde, os locais onde vais ficar alojada e se vais fazer alguma viagem dentro do país.

Além de ser mais seguro para ti, porque alguém sabe onde estás, também vais deixar a tua família mais descansada.

Se já estás a planear a tua próxima viagem, dá uma espreitadela às melhores apps do momento que te ajudam a preparar tudo.

viajar_sozinha_02

 

Não exageres na bagagem

Sim, esta dica é mesmo importante. Levar demasiadas malas pode ser um tormento na hora de te deslocares. Se tens de andar de um lado para o outro, o melhor é teres uma bagagem que consigas carregar facilmente sozinha. Uma mala de mão e uma mochila pequena são mais do que suficientes.

No entanto, há itens que deves mesmo levar contigo como, por exemplo, um bom livro. É sempre bom teres à mão coisas que nunca ficam sem bateria! Se precisas de algumas ideias, confere a nossa seleção de 20 livros para ler antes de morrer.

 

Evita situações arriscadas

Esta dica é óbvia. Evita andar de noite em sítios isolados, tenta evitar zonas problemáticas da cidade e não dês demasiada confiança a estranhos.

Principalmente, não tenhas medo de dizer que não a algo com que não te sintas à vontade: uma ajuda com as malas, uma boleia… Acima de tudo, sê cuidadosa e confia nos teus instintos.

 

Fundo de segurança

Caso algo aconteça, como um assalto, é sempre bom estar prevenido e ter algum dinheiro extra para emergências.

Mantém algum (na moeda do país) escondido num livro ou numa caixa de tampões e, muito importante: nunca todo no mesmo sítio! Tenta também não andar na rua com muito dinheiro, e nunca o mostres em público.

 

viajar_sozinha_03 

Está sempre contactável

Hoje em dia é fácil estar sempre contactável. Assegura-te que tens bateria no telemóvel – investir numa powerbank é essencial – e tenta informar amigos ou família periodicamente, sobre onde estás.

As redes sociais são também muito úteis, especialmente se ativares a localização.

 

Leva contracetivos e a pílula do dia seguinte

Em alguns países é muito difícil, ou até impossível, conseguir contracetivos e, principalmente, a pílula do dia seguinte.

Se vais ser sexualmente ativa – algo um pouco difícil de prever –, o melhor mesmo é prevenir. Nunca se sabe o que pode acontecer, e nestas situações é melhor ter e não precisar, do que precisar e não ter.

Por isso, se ficar grávida não faz parte dos teus planos neste momento, toma todas as precauções necessárias. Clica e fica a conhecer o contracetivo de emergência ellaOne®.

 

Se seguires estas dicas, viajar sozinha não parecerá assim tão assustador. Só tens que chegar, instalar-te e relaxar. Boa viagem!

7 Razões para estar solteira

A maioria das pessoas parece precisar de distribuir rótulos pelo mundo inteiro, e talvez por isto as mulheres solteiras são muitas vezes consideradas amargas e sabe-se lá mais o quê. É esta a realidade que temos nos filmes, na literatura e na música que ouvimos na rádio, que era suposto felicitar-nos todos os dias mais que não fosse porque estamos vivas e prontas para mais umas horas de trabalho!

Uma autêntica loucura na minha opinião, porque ser solteira é uma maravilha para mim, e gostos não se discutem. Obviamente que, também gosto de estar num relacionamento, e certo é que sinto falta de tudo o que isso envolve mas não ando a chorar pelos cantos quando na realidade estou mesmo solteira!

Se és solteira e estás cansada de ouvir “não te preocupes, vais encontrar alguém” ou “tu precisas é de um namorado” tem paciência e respira fundo. Aqui ficam 7 razões para estar solteira – embora existam muitas mais…

7 Razões para estar solteira

1.     A roupa:

Podes usar as roupas que mais gostas, quando quiseres sem que ninguém te critique. Também podes usar um fato de carnaval, que ninguém tem nada a ver com isso!

2.     Sair à noite:

Podes sair para te divertires com os teus amigos, para dançar ou para conversar com quem apareça. Há coisa melhor que ser solteira e conhecer alguém novo que achamos interessante e se faz o nosso estilo então…

3.     A comida:

Pode parecer absurdo se isto nunca aconteceu contigo, mas comer o que tu quiseres sem teres que pensar se o outro gosta ou não, é um alívio. Mas ser solteira, significa que os pratos que não lavaste no dia anterior continuam lá e o jantar vais ter de o fazer.

4.     Sentires-te livre:

Se algo importante acontece na tua vida como uma oportunidade de trabalho , uma viagem improvisada, etc., não precisas de consultar ninguém para tomar a tua decisão. Mas lembra-te que o mesmo deve acontecer quando estamos numa relação, nunca devemos deixar as grandes decisões na mão de outra pessoa.

5.     Conhece-te melhor:

Ser solteira é descobrir a mulher que és, porque tens muito mais tempo para ser criativa e explorar as tuas paixões. Não há forma melhor de aprender a ter amor próprio e sem dramas. Isto a dois também é o normal, infelizmente o mesmo não acontece com muitos casais em que um se esquece que existe. Foge desses relacionamentos!

6.     Adeus sogros:

Salvem-se essas refeições sem fim com os sogros. Há coisa melhor que não ter que estar constantemente a ser criticada pela sogra ou pelo sogro? Vivemos muito bem sem isso, obrigada.

7.     Ocupa a cama, toda:

Pois é, a cama é tua! Sim, eu sei, deixei o melhor para o fim. Ser solteira é simplesmente fantástico!

Eu sei que existem muitas outras razões, e podíamos acrescentar aqui tantas outras coisas boas de ser solteira. Se também és solteira partilha connosco as razões que te deixam de bem contigo e com a vida todos os dias.

5 planos para fazer a dois esta Primavera

Um ano é tempo mais do que suficiente para celebrar o amor. Acontece que existem actividades e planos específicos de cada estação. Porque não queremos que te falte nada, fizemos uma lista de 5 planos para fazeres com o teu mais que tudo esta Primavera.

5 planos para fazer a dois esta Primavera

  1. As flores convidam os casais a passear pelos coloridos jardins ou a fazer um pic nic no campo. Na cidade o ambiente é mais leve e colorido e no campo encontra-se a calma dos cheiros e sons que caracterizam a chegada da Primavera.

  1. Andar de Bicicleta, seja na cidade seja em redor dela. Parte à aventura, e propõe-lhe um passeio a dois pelo campo, nada melhor do que apanhar fruta da época ou fazer um bouquet com as mais belas flores selvagens.

  1. Praticar desporto ao ar livre. De certeza que vocês têm gostos parecidos. Aproveita o bom tempo para partilhar o que vos une. As temperaturas nem muito quentes nem muito frias  da primavera são perfeitas para te movimentares. Activa-te com uma corrida, uma partida de ténis ou uma caminhada. Divirtam-se.

  1. Parques e praças: aproveitem os fins de semana para conhecer a cidade. Porque não ser turistas em casa? Na primavera, os castelos ganham outro encanto, as esplanadas ou os terraços convidam a um olhar diferente sobre as cidades. Pensa que estão de viagem, num país estrangeiro.

  1. Nesta época já sabe bem um passeio à beira mar, durante a manhã ou a tarde. As praias estão vazias e o mar faz-se ouvir. Não há plano a dois mais romântico do que este, falo por mim. Sentar-me à beira rio é sempre uma boa opção.

Se tiveres outras sugestões, partilha nas nossas redes sociais. A nossa lista de planos para esta primavera está em aberto.

Body positive, a tendência que veio para ficar.

Todas nós já sonhamos mil vezes em ser magras, mais altas, mais baixas, ter mais peito, pele mais lisa, olhos bonitos, cabelos brilhantes ou qualquer outra coisa que melhorasse a nossa carga genética. Com o body positive a pressão social fica de lado tal como todos esses anúncios na televisão, revistas ou rádio que mais parecem uma recordação dos insultos no tempo da escola. Mas a verdade é que antes do body positive tudo o que nos disseram alterou por completo a forma como olhamos para o nosso corpo.

Eu sei. Às vezes sou um desastre absoluto e não gosto o suficiente de mim, mas o que guardo cá dentro com maior tristeza, foi ter deixado de ser eu mesma com o passar do tempo e ter-me tornado na pessoa que achava que os outros gostavam que eu fosse.

No meu caso,  o body positive fez tudo o sentido. Melhor do que ninguém eu sei que tenho quilos a mais e que seria muito mais saudável sem eles, mas não posso passar a vida inteira a sentir-me infeliz e imperfeita porque os “parâmetros” de beleza que me marcaram estão completamente ultrapassados.

Seres feliz com o teu corpo só depende de ti, é a tua atitude que conta, a maneiro como lidas com as situações do dia a dia. Por isso, o melhor mesmo é adoptares o body positive e parares de sonhar com ideias descabidas como ficar mais magra.

O body positive faz-te sonhar com coisas que realmente importam. Porque não seres “perfeita” não te impede de fazer as coisas que mais gostas.

Desafio-te a olhar para as tuas pernas com olhos de ver, para os teus braços como uma ajuda preciosa com que podes contar e para o teu corpo como a casa onde viverás o resto da tua vida. E é nesta casa que serás feliz, viverás inúmeras aventuras e sensações, e ninguém pode gostar mais do teu corpo que tu própria.

Junta-te ao Body positive e diz a todos os teus amigos e amigas que são perfeitos, que usem a roupa que gostam, que não existe nada para esconder, e que estão totalmente errados se não pensam assim. Temos obrigação de cuidar e gostar de nós próprios e, de aproveitar e desfrutar o nosso corpo tal como ele é, perfeito.

De hoje em diante, tudo mudou, vou aceitar-me e abraçar-me. Hoje vou ser quem eu gostaria de ser. Vou viver a vida à minha maneira, a única que eu conheço. E tu deves fazer o mesmo.

Rende-te ao “Body Positive” e conta-nos como foi nas nossas redes sociais, estamos curiosos por saber.

Como praticar o Slow Food?

Parece bom e tem um gosto ainda melhor: Slow Food é a melhor maneira de te aproximares daquela dieta equilibrada que há tanto tempo procuras.

Quantas vezes não ouviste que “somos o que comemos”?

Bem, a decisão de comer bem está nas tuas mãos, todas as vezes que vais ao supermercado.

Slow Food pode parecer ser apenas uma boa forma de comer, mas é muito mais do que isso, é uma atitude mais reflexiva sobre tudo o que isso envolve. Fica atenta a tudo o que está por trás de cada alimento. Uma garrafa de 1 litro de azeite virgem é muito mais do que se vê. Para a teres nas tua mãos, foi necessária uma longa experiência, uma cultura própria, um conhecimento da terra e uma dedicação pessoal.

Este movimento surgiu na Itália em 1986 para deixar de lado o fast food e fazer da alimentação e da nutrição culturalmente dignas.

O movimento Slow Food baseia-se em três conceitos fundamentais: bom, limpo e justo

  • Bom: que a comida seja fresca, sazonal , muito rica e produzida localmente.
  • Limpo: saudável e produzida respeitando o meio ambiente .
  • Justa: produzida e vendida a um preço justo para ambas as partes.

Há restaurantes Slow Food, que usam comida local e cujos menus incluem receitas locais e saudáveis. Só tens de os encontrar e atirar-te de cabeça, vai pensando nisso.

Não precisas de te inscrever em nenhuma associação ou grupo. Se quiseres praticar o Slow Food, só tens de seguir alguns princípios. Para começar, da próxima vez que fores ao supermercado fazer as tuas compras, escolhe legumes e frutas da época que tenham origem na região ou mesmo na zona onde te encontras, apoiando assim os produtores locais. Toma estas atitudes como uma forma de voto com o garfo por um modelo social e económico sustentável.

Vantagens do Slow Food

  • Ajuda a uma boa digestão envolve mastigar devagar para saborear bem.
  • Educar o palato com alimentos de qualidade versus aqueles usados ​​no fast food.
  • São utilizados alimentos mais saudáveis ​​e mais naturais.
  • Uma refeição relaxada e tranquila favorece as relações sociais .

Dicas para uma vida Slow

O movimento Slow Food , não só aconselha a mudar a forma como comemos, mas também os nossos hábitos de vida:

  • Dormir 8 horas . E sempre que possível dormir até mais tarde;
  • Seguir uma dieta rica em frutas e vegetais, sem as chamadas gorduras más;
  • Fazer algum exercício todas as semanas;
  • Esquecer o relógio de vez em quando;
  • Comer devagar e com os 5 sentidos;
  • Preparar a comida “com calma”;
  • Aproveitar as férias sem stress.

Como curiosidade, o movimento Slow Food salvou mais de 250 produtos que estavam ameaçados de desaparecer como o queijo de iaque do Tibete, o arroz Basmati da Índia ou morango branco do Chile.

Eu sei que já te rendeste ao Slow e que não tarda dás por ti no supermercado à procura de alimentos locais. Laranjas importadas, nem pensar! Sim, vais dizer este tipo de coisas muitas vezes.

Partilha as tuas receitas connosco, nas nossas redes sociais.